Quinta, 10 Setembro 2020 21:07

Arnon Velmovitsky representa o IAB na posse de Luiz Fux na presidência do STF 

O diretor Financeiro do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Arnon Velmovitsky, representou a entidade nesta quinta-feira (10/9), em Brasília, na solenidade de posse do ministro Luiz Fux como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para o biênio 2020/2022. “A gestão do ministro Luiz Fux na presidência do Supremo terá como norte a proteção dos direitos humanos e do meio ambiente; a garantia da segurança jurídica; o combate à corrupção, ao crime organizado e à lavagem de dinheiro; o incentivo ao acesso à justiça digital e o fortalecimento da vocação constitucional do Supremo”, afirmou Arnon Velmovitsky.  
A presidente nacional do IAB, Rita Cortez, acrescentou: “O sucesso do ministro Luiz Fux, ademais do efetivo cumprimento dos compromissos assumidos com a sociedade e suas instituições, dependerá principalmente do diálogo permanente com a advocacia”. De acordo com a advogada, “o IAB não se furtará em manter um canal de interlocução entre a comunidade jurídica e a nova administração, que inclui na vice-presidência a ministra Rosa Weber”. Rita Cortez afirmou ainda que “a ministra tem contribuído, de forma exemplar, para os avanços alcançados nas pautas defendidas pelas mulheres na política”. 

Participaram da solenidade no plenário do STF o presidente da República, Jair Bolsonaro; os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; o procurador-geral da República, Augusto Aras; o presidente do Conselho Federal da OAB, Felipe Santa Cruz, e os ministros da corte. Quatro mil convidados acompanharam a posse virtualmente. 

Bacharel em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Luiz Fux advogou de 1976 a 1978. Foi promotor de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, de 1979 a 1982, e juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), de 1983 a 1997, tendo passado nos dois concursos públicos em primeiro lugar.  Em 1997, tornou-se desembargador do TJRJ. Em 2001, foi nomeado ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde permaneceu por 10 anos.  

Fux presidiu a comissão encarregada de elaborar o anteprojeto do novo Código de Processo Civil (CPC), aprovado no Congresso Nacional em 2016. No STF, ocupou a presidência da Primeira Turma, em 2018, ano em que também presidiu o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tendo como maior desafio na gestão o combate às fake news