Segunda, 25 Novembro 2019 16:23

Presidente do IAB participa da entrega do Prêmio em Defesa do Movimento Sindical e Liberdade de Imprensa 

“Num momento de graves violações das liberdades de imprensa e sindical, a premiação de sindicalistas e jornalistas valoriza a atuação desses profissionais em prol da defesa dos direitos e garantias fundamentais para a cidadania e dos direitos sociais assegurados aos trabalhadores.” A afirmação foi feita pela presidente nacional do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Rita Cortez, na noite da última sexta-feira (22/11), no Salão Nobre Antônio Modesto da Silveira, na sede da OAB/RJ, onde foi realizada pelo Centro de Documentação e Pesquisa da Seccional, com o apoio do IAB e da Tribuna da Imprensa Livre, a 3ª Edição do Prêmio em Defesa do Movimento Sindical e Liberdade de Imprensa. 
“O IAB vem acompanhando a iniciativa do Centro de Documentação e Pesquisa, presidido por Aderson Bussinger, desde a primeira edição do prêmio”, disse Rita Cortez. O prêmio foi entregue a 36 pessoas que trabalham em prol da liberdade de imprensa, entre as quais o jornalista e escritor Ricardo Cravo Albin, o desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) Siro Darlan e os presidentes do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro, Washington Machado, e do Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região, Oswaldo Telles.

A solenidade de premiação foi conduzida pelo presidente da OAB/RJ, Luciano Bandeira. Ele compôs a mesa de abertura com Rita Cortez, Aderson Bussinger, o presidente da Comissão Especial de Direito Sindical da Seccional, Marcio Lopes Cordero; diretor e editor-chefe da Tribuna da Imprensa Livre, Daniel Mazola, a vice-presidente da Associação Carioca de Advogados Trabalhistas (Acat), Mônica Santos; a conselheira da OAB/RJ Clarissa Costa e a jornalista Juliana Rezende.

A entrega dos prêmios foi precedida da transmissão do documentário Mídia brasileira, monopólio e manipulação política, de 25 minutos, produzido pelo programa The Listening Post, da rede Al Jazeera. Após o filme, houve debate.