Quinta, 20 Fevereiro 2020 19:00

Rita Cortez comparece à posse da ministra Maria Cristina Peduzzi, primeira mulher a presidir o TST

“Graças aos esforços da comunidade trabalhista, a justiça, o direito e o processo do trabalho vêm resistindo, nos últimos anos, às propostas estruturais extremamente precarizadoras.” Esta é a opinião da presidente nacional do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Rita Cortez, que compareceu à solenidade de posse, nesta quarta-feira (19/2), em Brasília, da ministra Maria Cristina Irigoyen Peduzzi no cargo de presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) no biênio 2020/2022. “Além de ser a primeira mulher a presidir o tribunal em 70 anos de existência, a ministra é também uma antiga associada do IAB”, disse Rita Cortez.
Entre as autoridades presentes estavam os presidentes da República, Jair Bolsonaro; do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli; da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB), Felipe Santa Cruz, e do Tribunal Regional do Trabalho do (TRT-RJ), desembargador José da Fonseca Martins Junior; a corregedora do TRT-RJ, desembargadora Mary Bucker, e os ministros do TST Evandro Pereira Valadão Lopes e Agra Belmonte.

A presidente do IAB falou também sobre a valorização do trabalho. “É preciso dignificá-lo, estimulando a livre iniciativa a fomentar investimentos e aquecer a nossa economia, gerando não somente empregos, mas também boas condições de trabalho”, afirmou a advogada, que acrescentou: “É crescente o clamor da sociedade pela observância de direitos fundamentais sociais conquistados ao longo da história republicana do Brasil”.
 
Da esq. para a dir., José da Fonseca Martins Junior, Mary Bucker, Cristina Belmonte, Rita Cortez, Agra Belmonte e Evandro Pereira Valadão Lopes



Rita Cortez disse o que espera da nova administração do TST. “Acredito que cuidará muito bem do aprimoramento dos mecanismos internos de funcionamento do judiciário trabalhista, bem como da boa aplicação das normas constitucionais e ouras normas garantidoras de prosperidade e progresso”, afirmou. De acordo com ela, “os tribunais do trabalho são sensíveis às questões sociais, até porque lidam com as relações entre capital e trabalho, distribuindo justiça, pacificando conflitos e colaborando com a construção da solidariedade e da fraternidade sociais entre os brasileiros, sejam trabalhadores ou empresários”.

A advogada elogiou o discurso feito pelo presidente do CFOAB. Segundo ela, “a sua fala, em nome da advocacia, foi o ponto de destaque na solenidade de posse, por ter ido ao encontro dos anseios das entidades trabalhistas de representação e instituições jurídicas que assumem o compromisso estatutário em defesa das liberdades democráticas, como é o caso do IAB”.

Em seu discurso de posse, a ministra Maria Cristina Peduzzi disse que assume o cargo “com o compromisso de trabalhar em prol da valorização da Justiça do Trabalho, ramo mais célere do Judiciário e o que mais concilia”. Também foram empossados os ministros Vieira de Mello, como vice-presidente, e Aloysio Corrêa da Veiga, como corregedor-geral da Justiça do Trabalho.  A advogada Cristina Belmonte, membro efetivo do IAB, compareceu à solenidade.