Presunção da inocência - Instituto dos Advogados Brasileiros | IAB
Mural do Presidente

Presunção da inocência



Fonte
Em defesa do princípio da presunção da inocência, gravemente ferido pela decisão que, em flagrante violação de cláusula pétrea da Constituição Federal, permitiu a execução provisória da pena antes do trânsito em julgado da sentença, desrespeitando o art. 283 do CPP, o Instituto dos Advogados Brasileiros foi ao Supremo Tribunal Federal. O IAB se manifestou como amicus curiae na Ação de Declaração de Constitucionalidade impetrada pelo Conselho Federal da OAB.

O IAB foi ao Supremo e, da tribuna do plenário, deu voz aos reclamos da advocacia brasileira. Nos últimos tempos, ela vem sendo submetida a processos dolorosos nos quais suas prerrogativas têm sido ignoradas. Ao mesmo tempo, sob a inadmissível alegação de que a relativização das garantias constitucionais é necessária ao combate à corrupção e à impunidade, a advocacia brasileira tem enfrentado a supressão de direitos fundamentais dos cidadãos por ela representados.

Vice-decano do Supremo, o ministro Marco Aurélio determinou em seu voto a imediata suspensão de todas as execuções antecipadas de pena e a revogação de todas as prisões que tenham sido decretadas antes das condenações se tornarem irrecorríveis. No julgamento, o ministro relator afirmou que a Corte, “última trincheira da cidadania”, ao admitir a prisão após a confirmação da sentença pela segunda instância, permitiu a subversão de garantia constitucional, quando deveria assegurá-la.

Exatamente por ser a “última trincheira da cidadania”, sempre que discordávamos da decisão de um juiz, sobretudo frente aos arbítrios da ditadura militar, dizíamos: “Vou ao Supremo!”. Na vanguarda do direito desde 1843, o IAB irá ao Supremo sempre que estiverem sob ameaça a democracia, a liberdade e todos os direitos fundamentais garantidos pela Constituição brasileira.

Técio Lins e Silva